Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



o drama

por M.J., em 07.05.19

cinco meses depois temos o grande problema.

não, não foram as cólicas; não foram as mamadas; não foi o acordar de hora a hora; não foi o não poder sair com ele.

não meus senhores, tudo isso correu bastante bem.

o grande problema tem 4 letras e revelou-se a consumição, o drama, a tragédia, o horror, o pesadelo, o filme:

SOPA

 

confiante que aos 5 meses o crianço estava disposto a alargar o âmbito da alimentação e entrar nessa coisa magnifica que é comer enchi-me de coragem e comprei uma yammi.

foi uma desculpa, sim senhor. podia perfeitamente fazer a sopinha num tacho e passá-la com  a varinha mágica. mas andava a namorar a maquineta há meses (claro que não tem a qualidade da bimby pois se assim fosse toda a gente que incha quatro vezes mais por ela era maluquinha) e aproveitei a desculpa das sopas para o efeito.

 

enfim:

sábado antes de almoço M.J. pega na maquineta, lê as instruções, vê as indicações da pediatra e faz a sopa à criança.

tudo muito bem.

depois, na hora de almoço, põe umas três conchas de sopa na taça da criança, comprada de propósito para o efeito, toda convencida que sim, a criança vai comer e chorar por mais (3 conchas meus senhores, atentem que coloquei 3 conchas de sopa na taça do miúdo) e prepara-se para o grande evento. 

  1. pomos o puto na cadeira (sim, já fica numa cadeira de refeições daquelas altas e reclináveis há imenso tempo porque ele quer estar connosco à mesa e até se cala quando lá está);
  2. colocamos um babete normal no puto;
  3. o pai do puto liga a câmara de filmar e aponta-a aos beiços do dito;
  4. a mãe do puto enche as trombas de sorrisos;
  5. a mãe do puto enche uma colher de bebé com sopa;
  6. a mãe do puto enfia a colher de sopa na boca do puto que...
  7. saboreia.
  8. dá com a língua na boca.
  9. põe a sopa para fora.
  10. mete a mão na boca onde tem os restos de sopa não deglutida;
  11. esfrega bem a mão na boca e na sopa;
  12. leva a mão aos olhos, ao cabelo e a tudo onde chegou antes de a mãe, com reflexos muito lentos, o impedir de continuar.

 

depois disto, o sorriso nos meus lábios foi só a descer.

enfiávamos sopa no puto, o puto enfiava sopa em nós. como continuávamos nisto, a camera de lado, uma fralda de pano a substituir o babete, já ninguém a rir, ele desata aos gritos na crise dos 3 minutos (basicamente chora pouco mas quando chora não está com meia medidas) e a gritaria é de tal ordem que desistimos.

demorou uns bons cinco minutos e o cenário final foi pior que a guerra entre os últimos starks e os mortos:

sopa no chão, na cadeira, na mesa. babete repleto de sopa, fralda repleta de sopa. pescoço da criança encharcado em sopa. o pai tem sopa nas mãos. a mãe tem sopa nas mãos, nos braços e, pasmem, nas mamas que ele cuspiu com tanta força que tudo apanhou.

ah pois é filha, não amamentaste leite, ele jorra sopa.

o drama. 

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A boca aberta de quem cuspiu a sopa todinha. Truques e dicas desse lado, há? #bebe #primeirascomidinhas #sopa #babyboy💙

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

será melhor amanhã, disse a mamã ao telefone, a minha sopa ele come.

pois claro que sim.

tinha os mesmos ingredientes mas mais amor, achava ela. 

pronto, no dia a seguir em casa dos meus pais, insistimos:

miúdo a postos, fralda a postos, desta vez preparados, a avó vai com todo o amor dar sopa ao neto. 

rapidamente o amor transformou-se em sopa esguichada e cuspida aliada aos gritos.

não resultou. 

só se calou quando bebeu leite.

muito bonito.

 

estamos nisto desde sábado.

em todas as refeições de sopa (o almoço) há o mesmo filme:

rejeição em primeiro, cuspidelas em segundo, berraria em terceiro e, se insirtimos engasga-se.

o chão fica com sopa, os babetes com sopa, a mesa com sopa. em todo o lado há sopa menos no estômago de quem a devia comer.

 

resultado: começo seriamente a pensar em desistir da filha da mãe da sopa e alimentar a criatura a leite até ir de erasmus. isso ou até ter dentes e provar uma boa cocha de frango de churrasco.

é que já não aguento com tanta sopa.

 

dicas há?

deixaram-me algumas no facebook e instagram. já segui a da colher, a da batata doce e a da paciência.

até agora miúdo 3 - sopa 0.

ai!

Autoria e outros dados (tags, etc)

amor de mamã

por M.J., em 29.04.19

desde que o miúdo nasceu que a mamã rejuvenesceu. e fez coisas que sempre se recusou a fazer por medo ou desconhecimento.

a primeira foi conduzir sozinha distâncias grandes.

a mamã tirou a carta já numa fase tardia. usava o carro por necessidade apenas na aldeia. e pouco mais. qualquer saída longe disso não ia. era eu que a levava. recusava-se terminantemente. que não. que não nascera para isso. que não. que não.

quando o miúdo nasceu queria vê-lo todos os dias. de onde mora até cá são mais de cinquenta quilómetros. era inviável eu ir buscá-la ou o rapaz. era inverno, tínhamos um recém nascido e não podíamos fazer 4 vezes 50 quilómtros todos os dias.

um dia de manhã a mamã ligou-me. eu estava a amamentar e atendi ainda meio ensonada. ela pediu-me para ir abrir a porta. não percebi nada. "qual porta?" "a da rua", disse ela, que estava lá. e eu logo: "quem chateaste para te trazer?" e ela, num orgulho que só visto: "o carro".

pois é. a mamã veio sozinha, pela auto-estrada porque precisava mesmo de ver o neto.

a mamã que nem nunca metera a quinta mudança a não ser nas aulas e no exame de condução. 

o amor é mais forte, disse, e foi.

 

a segunda:

há coisas que numa casmurrice se recusa a aprender. a maior é tudo o que seja novas tecnologias. é uma espécie de birra para não sair da zona de conforto.

são incontáveis as vezes que lhe quis oferecer um telemóvel que servisse para mais do que fazer chamadas.

nunca queria. e sei bem porquê: tinha medo de não conseguir lidar com aquilo e ser uma desilusão.

fartei-me de lhe explicar que se não se desse bem com ele voltava para o outro e eu ficava com o novo.

nunca quis. não, não e não.

quando o miúdo nasceu queria fotografias dele. o primeiro álbum que mandei fazer foi para ela. com fotografias quase todas iguais em que ele aparece com aquela expressão de ananás que guincha (os recém-nascidos não têm outra), sempre de olhos fechados.

foi o delírio com o álbum. mas evidentemente que a criança cresce e as fotografias são diferentes. por isso, todas as semanas levava que eu imprimia na impressora cá de casa. numa folha de papel normal. até que os tinteiros acabaram e eu não quis comprar outros. se ela quisesse mandava fazer outro álbum disse-lhe. o que não fazia sentido eram aquelas fotografias todas ranhosas em papel ranhoso. 

ficou triste.

na semana passada perguntou se o meu telemóvel velho, anterior a este, ainda funcionava. que queria aprender a lidar com ele.

perguntei-lhe porquê: pois que queria ver fotografias do neto, várias, muitas, sempre que quisesse. e mais! queria vê-lo quando lhe telefonasse. 

muito bem, disse eu, ainda desconfiada mas contente. muito bem. e ontem comprei-lhe o telemóvel.

o rapaz, numa paciência infinda ensinou-a a atender e fazer chamadas de voz e também por skype. foi uma novidade. carregava muito no ecrã e os ícones apagavam-se. mas depois percebeu a mecânica da coisa. também lhe passamos sei lá quantos megas de fotos do miúdo para o telemóvel. e foi logo as trombas dele a rir, sem os dentes todos, que eloa quis que ficasse como capa.

enfim, hoje de manhã ligamos-lhe pelo skype quando ela estava no trabalho. pôs o telemóvel no ouvido. dissemos-lhe para o pôr à frente dos olhos. do lado de cá estava dom rapazito a rir. foi uma histeria. um minuto depois estavam seis ou sete mulheres em frente ao telemóvel a olhar para o miúdo. o rapaz ria perante a histeria do mulherio do outro lado. o miúdo não percebia nada mas ria-se para o telemóvel quando eu fazia bhu.

depois de almoço voltou a ligar. aprendeu a lidar com a coisa. e nem tem teclas

o amor não precisa de teclas, eu sei. 

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A mamã veio visitar o neto. #flowers #flores🌸 #orquideas #love

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

sobretudo, nem quero imaginar quando daqui a um mês eu o rapaz formos no primeiro fim de semana sozinhos e ela ficar aqui em casa, com o miúdo, dois dias inteiros, ambos os dois, em amena cavaqueira.

falta mais de um mês. marquei depois de me assegurar que ela podia ficar com ele. isto há um mês e pouco atrás.

desde essa altura que ela fala disso. 

espero chegar a casa e ainda ter o puto.

não vá ela comê-lo de beijos. 

 

o amor está todo nela. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

adrenalina

por M.J., em 17.04.19

no último ano emprenhei, pari, comprei casa e constituí uma empresa.

só faltou plantar a árvore e voltar a editar um livro para a suprema realização.

e ainda assim, pasmem, tem dias que me sinto insatisfeita no correr das horas.

sem evoluir.

fico sentada à janela, a ver o dia passar e pensando, muito sinceramente que preciso de mais. de agitação. de intensidade. de coisas novas. de adrenalina.

 

hoje tive:

tenho o carro na reserva e não há gasóleo em lado nenhum.

estou a viver no limite e adeus páscoa na serra ao lado da mamã.

 

obrigada senhores da greve por manterem esse direito nos dias que correm.

agora sim, estou plenamente satisfeita.

 

(notas:

1. praguejava quando o rapaz - doutorado em sistemas de condução automática (não sei se é mesmo assim que se diz) - me dizia que é uma realidade próxima, quase, quase a chegar e que tudo o que temm rodas vai andar por aí a deambular sozinho. agora mal posso esperar).

2. e esta coisa de dez milhões de pessoas estarem reféns de 800? não é belo?)

Autoria e outros dados (tags, etc)

resumo dos quase 4 meses

por M.J., em 08.04.19

pronto, o puto já levanta e quase segura a cabeça.

às vezes fica ali, meio a balançar, como se tivesse bebido uma cachacinha depois de almoço e o peso do álcool fosse mais forte. mas, por norma, faz jus ao pescoço. 

 

também dorme a maioria das noites, de forma completa. não são doze horas a roncar mas vai fazendo períodos de 5 a 6 horas seguidas.

é bom. a não ser claro, quando acorda às sete da manhã a um sábado.

nessas alturas não é agradável.

 

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Quando o puto acorda às sete da manhã a um sábado e se recusa a dormir não há como não pensar seriamente em sair de casa para comprar tabaco. #naohapachorra #nemaosabado #voualiejavenho #ounao #arre

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

 

não sei como teria sido se o miúdo fosse um pedinchão durante a noite.

que ainda estamos habilitados a isso.

sempre que acordo às 4 da manhã é como se um comboio me tivesse passado por cima e eu ainda estivesse a perceber se estou morta ou não. ando meia desgrenhada pelo quarto sem saber muito bem onde pegar ou começar.

fazer isto um ano ter-me-ia levado à loucura.

ou a ele. 

um dos dois seria.

talvez fosse a ele que eu sempre posso tomar café.

 

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Bom dia, vamos ao café? Houve um tempo que vos dava os bons dias no blog com música. Agora nem música nem blog. Só café. #cafe #coffeetime #coffee #vamosaoqueinteressa #blog #eagoraseila

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

 

não há maneira de evitarmos o babete neste momento.

baba-se a rir, baba-se a chorar, baba-se a comer, baba-se a respirar, baba-se a existir. olhamos para ele, dizemos bhu e enquanto ele sorri com os dentes todos que não tem há rios de baba a escorrer pela cara.

os babetes têm sido a solução.

e creme no pescoço, que quando dei conta que tinha o dito irritado fiquei tão aflita que passei o dia a bezuntá-lo.

ajudou. está praticamente bom.

 

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Brevemente nos cinemas a comédia dramática: "o coelho, o urso e o duplo queixo". #baby #doudou #babete #babyboy #comeedorme

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

 

também deu uma pulada.

há pouca roupa que lhe sirva, já, e vamos acumulando a que não serve numa grande caixa de arrumação no quarto ainda não mobilado dele.

ontem, que tínhamos visitas, quis vestir-lhe um fato catita e simplesmente o rapaz não conseguia esticar as pernas.

esse e outro e outro e outro.

que bonito. só havia babygrows feios, de andar por casa, pelo que acabou vestido com um macacão curto nas pernas e nos braços enquanto eu tentava perceber que raio comeu ele na última semana para nada lhe servir.

 

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Vê-se logo quem o vestiu. #meninodopapa #bebe #janaoeprojetoaltino

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

 

acorda sempre bem disposto.

ri-se desalmadamente todas as manhãs. e adora ficar nu.

tiramos-lhe a roupa e é vê-lo como se tivesse ganho o euromilhões. também começamos a perceber alguns traços de personalidade. não faz questão de atenção total mas se chora e não vamos dentro de um minuto, o gemido inicial transforma-se num choro tão intenso como se tivesse a ser capado. a frio.

um dia destes só consegui mesmo ir ter com ele uns 3 minutos depois. berrava tão alto que tive medo que a vizinha chamasse a CPCJ. e ficou 10 minutos ao colo, em suspiros fundos e soluçados, sentido comigo e com o mundo.

vai ser lindo, vai.

 

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Nos dias que correm o nosso melhor amigo é o babete. Ou OS babetes, no plural que um só não aguenta os quilos, paletes de baba produzida. #bebes #babyboy #babyboy💙 #baby #babete #baba

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

comporta-se estupidamente bem com outras pessoas.

é simpático e tudo (não sai a mim, disso concordamos todos), anda de colo em colo e nada de choro. mas quando estamos sozinhos tem os seus 3 minutos, muitas das vezes do nada, mostrando que sim senhor, aqui ainda manda ele.

concedo-lhe isso.

por enquanto.

 

também descobrimos que gosta de ver tv.

os estudos sobre os malefícios da dita circulam na internet como cogumelos à chuva. há mães que preferiam perder um dos mamilos (os dois não, que pelo menos um tem de ficar para amamentar) do que pôr a criança em frente à tv. nós usamo-la de vez em quando na babytv e ele fica a olhar para ela, muito concentrado, dando pontapés no ar, falando numa língua que ninguém percebe constituída por 3 vogais e 2 consoantes (e, a, u, b, h) e, quando se farta, soltando um ou outro grito.

muito eficiente.

 

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

É, vêm cá pessoas almoçar. É, a sala está assim. É, a tv está na babytv. É, engoli todas as palavrinhas que disse. #bebe #babyboy #almoço #domingo #sunday

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

 

seja como for, por melhor que seja, não me imagino a passar por isto outra vez.

achei, outrora, que não queria filhos únicos.

eu sou e bem sei os malefícios.

mas sinceramente, só de pensar nisto com um outro miúdo a pedir atenção faz-me crescer ainda mais cabelos brancos. só de pensar no primeiro mês, nas minhas hormonas, nas mudanças de humor, no cansaço extremo, na incapacidade de tirar vinte minutos para fazer algo inútil mas que me dá prazer, há algo em mim que grita com muita força: NÃO. 

 

a maternidade é mais ou menos aquilo que eu esperava.

tem coisas boas, momentos maravilhosos, ocupa espaços vazios, transforma um pouco quem somos, dá-nos a experimentar algo que não sentiriamos de outra forma.

mas arranca pedaços de nós. arranca horas infindas, dias, noites, tempo.

sei que o ser humano tem tendência, depois da coisa passar, de desvalorizar o mau e hipervalorizar o bom: eu tento que isso não aconteça. tento ter presente realisticamente cada momento. entrego-me, aceito, vou mas não encho com corações e unicórnios todos os espaços. 

 

e pasmem-se, é verdade, ainda continuo a revirar os olhos, quase até ficar só parte branca à vista, quando me repetem incessantemente "é o melhor do mundo".

o melhor do mundo, meus senhores, é a conjugação de pessoas, factos, aspetos, momentos e objetos que nos fazem - todas as manhãs - respirar de alívio por ainda estarmos vivos. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

da greve

por M.J., em 19.03.19

no dia em que me disseram que precisava de ir para a maternidade parir tive uma crise de ansiedade.

não foi nada bonito: uma grávida muito grávida, sentada no consultório da obstetra a chorar baba e ranho porque o momento que temera durante toda a gravidez finalmente chegara. ao contrário de muitas grávidas eu não ansiava pelo parto como o momento mágico em que tudo acontece. na minha cabeça, pelo contrário, existia um cenário apocalíptico de sangue, cocós, gritos, pernas abertas, desconhecidos e completa dependência de outrem. 

sou uma exagerada. não podia ser de outra forma nessa altura.

não foi portante novidade a consulta com a psicóloga antes de ir até à maternidade. que a pressa não era assim muita: o puto furou o saco onde estava metido (provavelmente decidiu fazer a espargata e a coisa correu mal) e o liquido ia saindo aos poucos. mas só aos poucos.

depois de ser acalmada pela santa psicóloga, que soube o que dizer quando eu ponderava mesmo fugir pela janela, encolher-me num canto e esperar que passasse (um excelente plano, sem dúvida) e entrei na maternidade, fui aos poucos perdendo o receio do drama sanguinário que a minha mente formulara durante os nove meses. 

é claro que a minha médica foi fundamental mas a pedra de toque que transformou todo o meu cenário de guerra em algo perfeitamente normal foi o trabalho das enfermeiras:

  • foi uma enfermeira que me ajudou com as dores a meio da madrugada, já depois de ter tomado comprimidos para a indução do parto;
  • foi uma enfermeira que me acalmou no caminho do bloco;
  • foi a enfermeira especialista no bloco que me esteve do meu lado desde que entrei até à mudança de turno, que me explicou tintim por tintim o que ia acontecer, que falou comigo sobre trivialidades, que me fez companhia e me ajudou em todo o processo;
  • foi a enfermeira que a substituiu depois que agarrou na minha mão no momento do parto, que me disse quando e como fazer força e que me incentivou com palavras simpáticas;
  • foi uma enfermeira no dia a seguir que ensinou o miúdo a mamar;
  • foi uma enfermeira que me disse que não havia mal algum em dar-lhe leite de fórmula quando ele perdeu imenso peso porque eu simplesmente não conseguia que ele mamasse;
  • foi uma enfermeira que me levou para um quarto vazio quando, na quinta noite sem dormir porque o outro miúdo berrava horrores, a minha cabeça parecia explodir.

tinha ouvido, lido milhentas histórias de casos de grávidas mal atendidas em maternidades/hospitais públicos por enfermeiros.

ouvira falar dos risinhos no canto da boca, da impaciência, da ironia, do gozo: "quando o fizeste não berravas assim", dos jeitos bruscos, do olhar para uma grávida como mais uma, para um bebé como mais um. ouvira falar de enfermeiras que insistem na amamentação como se nada mais houvesse, levando mães inexperientes ao desespero e a sentirem-se péssimas mães; enfermeiras brutas, antipáticas e sem a empatia e humanidade necessária para perceber que é um momento de extrema fragilidade (ou pode ser, para algumas mulheres) e que transformavam aqueles dias em pesadelos.

e depois, comigo, nada foi assim.

o momento do parto em si revelou-se perfeitamente natural, fácil até, botando por terra todos os meus piores pesadelos e fazendo-me rir pelos desabafos que fui deixando a quem me ouvia naquela altura.

os dias a seguir, na maternidade, que me causavam ansiedade também.

e tudo devido, sobretudo, ao trabalho das enfermeiras que me acompanharam todo o tempo. se há palavras que podem definir o trabalho delas (e deles, que deve haver eles, mas a mim só me calharam senhoras) foi a humanidade, o altruísmo, a empatia e o profissionalismo. 

 

é por isso, e por tantos outros casos que li, ouvi, vi em primeira mão, que estou com os enfermeiros na sua luta.

estou com eles enquanto classe muito mais importante do que a importância que lhe é dada pela sociedade, habituada a vê-los como meros lacaios dos médicos. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

vergonha

por M.J., em 12.03.19

anda a polémica no ar por causa das escolhas da sic e tvi dos programas da noite de domingo.

que é um atentado às conquistas das mulheres, que se tratam as mulheres como gado, que as tvs deviam ter vergonha, etc e tal.

mais do mesmo: blá. blá. blá.

 

não me interpretem mal.

desde que engravidei que me sinto mais atenta às pressões da sociedade acerca do que é exigido às mulheres. que vejo os olhares de soslaio sempre que se percebe que a divisão de tarefas quanto ao puto é irmãmente dividida entre mim e o pai dele. que vejo o julgamento em outras mulheres sempre que dão conta de que o meu papel como mãe está no mesmo patamar que o dele como pai e as responsabilidades são exatamente as mesmas. que sinto em muita gente próxima que, supostamente, eu devia dedicar-me exclusivamente à criança e o pai ir trabalhar (porque, lá está, não fui presenteada com um pénis).

portanto, sim, nunca como hoje percebi tanto as diferenças exigidas a homens e mulheres e como estas últimas são sobrecarregadas, injustiçadas e estão numa posição muito mais merdosa do que o ser humano que nasceu com um penduricalho a mais.

 

posto isto, meus senhores, desculpem lá, mas não cabe à tvi e à sic educar seja quem for, sobretudo através da sua programação.

se me disserem que a rtp pode ter essa função até posso conceder um bocadinho. mas só. e só um niquinho.

no dia em que a educação da sociedade couber às televisões, desculpem lá mas, falando curto e grosso, estamos fodidos. era só o que faltava que a programação das tvs privadas fosse direcionada à educação das famílias. era quê? missa em horário nobre? o marcelo rebelo de sousa a falar de como ser um cidadão exemplar? ou o ricardo araujo pereira a explicar à plebe como se enxovalha com graça um pequeno tirano? e quem definia o quais os valores que a tv tem de transmitir? o grande comité para a educação dos meninos? a partir de que valores?

não meus senhores, não cabe à televisão a educação dos vossos filhos, irmãos, pais, avós e tios. 

e mais! se há programas destes, em que as mulheres desfilam como gado perante os olhares atentos de agricultores e futuras sogras, em que se sujeitam a uma avaliação minuciosa que parece ter saído do grande livro das moças, a culpa é vossa. porque reflete um pouco da sociedade em que estamos.

são vocês (e quando digo vocês, quero dizer nós) que ensinam na maior parte das vezes esses conceitos. que ensinam (ensinamos) uma data de valores desadequados, velhos, a cheirar a naftalina às nossas crianças, mesmo que nem nos apercebamos:

- não chores, um menino não chora, queres parecer uma menina?

- não sejas mariquinhas!

- não, não lhe visto vestidos que ela é traquinas e veem-se as cuecas.

- claro que não vais sair assim vestida de casa, pareces uma mulher da vida.

- como é que queres namorar se nem sabes fritar um ovo?

- já viste esse cabelo? assim não há homem que te pegue.

- o quê? andas aqui? então e o miudo está com quem?

e por aí adiante, em constante movimento.

 

tenderia até a dizer que são as mulheres que mais proliferam o machismo evidente apesar de não ter dados estatísticos para confirmar esta afirmação. mas posso falar do que vejo, do que leio, do que escuto. e o que observo são as mulheres em constante luta, à espera de lixar a primeira que se lhe aparecer à esquina. "espera aí que já te fodo", com os braços apontados enquanto clamam a deus e ao mundo: olha que programa hediondo! 

contei o episódio abaixo no meu instagram e facebook no domingo passado (se ainda não me seguem pensem nisso, que eu ando muito mais por lá do que por aqui pela facilidade de usar o telemóvel). 

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

O puto dorme 6 horas seguidas durante a noite. Há uma ou outra que acorda mais do que uma vez mas há semanas que o padrão se mantém. Na semana passada fui a uma festa de aniversário de um bebé onde estavam uns 7 ou 8 e respetivos pais. E no meio de uma conversa em que só se falava de putos e se partilhava experiências tive a infeliz ideia de comentar que, felizmente, ele dormia 6 horas seguidas durante a noite. Juro que nem foi com o objetivo de me vangloriar até porque o mérito não é meu mas do puto. Foi apenas porque se falava de sono, dormir e leites noturnos. Pois meus senhores, logo a mulherada toda em coro: - 6 horas??? Ah, isso é agora, espera até aos dentes; ou, - Deixa ele chegar com viroses a casa e vais ver; e ainda, - Aproveita que dura pouco. Está bem então. Desculpai lá se a minha criança dorme mais porque não precisa das minhas mamas de 2 em 2 horas. Prometo que vou passar a acordar o miúdo para sofrer como vós. Este tipo de comentários não acontece noutras coisas. Ninguém diz: - O quê? Estás a adorar o teu trabalho novo? Espera dois meses até o teu chefe te assediar no elevador; ou: - Emagreceste 10 quilos? Daqui a uma semana já os recuperas todos; e ainda: - Carro novo? Dou-te um mês para o mandares para a sucata e morreres encarcerada. Então quais os motivos para que se comente este tipo de "não fiques contente que o pior está a chegar?" Ontem foi o dia da mulher. Vi centenas de posts de mulheres a desejar igualdade e respeito para as mulheres. Acontece que não o fazem entre elas. Quando comentei - ingenuamente - das 6 horas do puto um dos pais presentes ainda murmurou "6 horas? Quem dera!" Isto antes de ser atropelado pelo mau agouro da mulherada presente. De que vale nós mulheres desejarmos ser mais na sociedade se desejamos sempre que a vizinha seja menos? Se parece que estamos prontas à esquina para dizer: - o miúdo disse que gosta de ti? Espera até te roubar a mobília para comprar droga. #mãe #maes #desabafo #mulheres #maternidade #experiência #bebes #crianças

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

e os comentários com experiências de outras pessoas foram sobretudo nessa linha: somos umas cabras umas para as outras. temos a maior tendência para nos lixarmos, acusarmos, julgarmos e por aí adiante acabando, no fim, por gritar muito alto que a culpa é da tvi e da sic, que deviam ter vergonha nos programas que passam.

não minhas senhoras, vergonha devíamos ter nós! vergonha devíamos ter nós por todas as vezes que achamos que era suposto a vizinha estar um nadita mais abaixo que nós.

 

tenho ao máximo tentado lutar contra isso. juro. vou conseguindo cada dia um bocadinho mais.

e não é por dar uma olhadela ao programa dos agricultores e das sogras que isso altera.

a alterar é só para me lembrar de nunca, jamais, educar o meu filho para que se comporte, pense ou sinta daquela forma. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

resumo

por M.J., em 27.02.19

comprei tulipas amarelas no fim de semana. o objetivo era que, de alguma forma, combinassem com os girassóis do casamento e que estão espalhados em fotografias na sala.

aos poucos a casa vai-se transformando. passamos do "temos o essencial para viver" para "vamos melhorar isto". já há quadros nas paredes, candeeiros, fotografias e mantas no sofá. já há almofadas gigantes, velas e flores. e um bolo de laranja, no domingo, para dar um olá a velhos amigos de infância que passaram a conhecer o miúdo. 

estamos todos tão crescidos.

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

As flores são tulipas mas cheira é a laranja. #cake #vamoslareceberpessoas #domingo #orangecake

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

tenho uma série de posts na cabeça.

gostava de falar sobre o parto, sobre a gratidão à minha médica, sobre a humanidade da minha psicóloga, sobre a empatia e profissionalismo das enfermeiras. gostava de falar sobre mamas e amamentação e como nunca fui pressionada - ao contrário do que esperava - para o efeito e como me sinto tão aliviada por o puto beber leite em pó. e estar saudável. gostava de escrever sobre os fantasmas que me ensombraram nos primeiros meses, de alguns momentos de absurda angústia e de como tudo me pareceu negro em alguns dias. gostava de escrever sobre como a seita veio a aveiro para nos ver, de como me senti amada por duas pessoas tão especiais que demonstram que isto não são só blogs. gostava de explicar um sentimento de amor profundo que vai crescendo todos os dias um pouquito mais no peito. 

mas não tenho tempo.

 

continuo assoberbada em trabalho. deliberadamente.

porque me faz sentir mais do que mãe e porque, sinceramente, não me consigo ver apenas como mãe, ainda que baste para muita gente. ainda que saiba que há mulheres que dariam tudo para poder ficar em casa só a cuidar dos filhos - e nada tenho contra (nem a favor, simplesmente não é nada comigo). ainda que tenha perfeita noção do privilégio que tive ao poder escolher se queria ser só mãe durante seis meses ou não. e não quis. não podia. não dava. isso seria diminuir-me quando deveria acrescentar-me. seis meses em que apenas me dedicaria a alimentar, ver crescer, cuidar e ficar à espera que as horas passassem entre cocós e fraldas transformar-me-ia numa pessoa absolutamente frustrada e incapaz. transformar-me-ia numa péssima pessoa, inapta e sem perspetiva. não que isso transforme as outras pessoas, não me interpretem mal. mas transformaria a mim porque não tenho essa capacidade tão grande de me doar por inteira de forma absoluta e integral. para ser boa mãe preciso de ser boa pessoa. e para isso preciso de me sentir plena. preciso de me sentir útil em várias vertentes. por isso aqui estou, assoberbada em trabalho. muito mais do que algum dia tive porque me desdobro em 5. 

no entanto, cada prazo cumprido, cada objetivo concretizado inunda-me de felicidade. sou capaz. fui capaz. consegui. não fiquei presa às ideias concebidas. não me perdi nos medos. não fiquei meses sem ser eu, achando que me perdera. estou aqui. completo os espaços da minha vida, cada um com a sua importância sem os descurar. estou eu. completa.

 

o miúdo foi ontem às vacinas.

chorou que se fartou e depois, quando já não se lembrava, começou a rir enquanto a médica nos passava a receita para as não comparticipadas pelo SNS. e para uma almofada especial com o objetivo de evitar deformidades na cabeça que o miúdo cismou que dormir é sempre para o mesmo lado e ainda me ficava com a cabeça torta.

se a almofada resulta ou não... não sei. mas que ele gosta dela não há dúvidas.

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Vesti ganga pela primeira vez a ver se convenço a médica a espetar as vacinas com beijinhos em vez de seringas. #babyclothes #babyboy #vacinas #janaoeprojetoaltino

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

tem engordado 41 gramas por dia.

uma pequena lontra ainda que continue num percentil baixinho. praticamente nenhuma roupa que compramos antes dele nascer lhe serve pelo que vamos renovando a coisa. tive de proibir a mamã de comprar porque me dói o desperdício e há coisas que ele vestiu duas vezes. é para esquecer.

 

já ri para nós.

posso mesmo dizer que ri mais para mim. é esperto. sabe perfeitamente quem lhe muda mais vezes as fraldas, quem lhe dá o leite, quem o embala e acorda a meio da noite quando o pai tem de conduzir no dia seguinte. portanto saca do sorriso desdentado e suborna-me para que me esqueça das birritas pequenas, das noites a dormir aos pedaços e do cansaço.

que tive sorte.

dorme bastante bem acordando agora, em média, duas vezes por noite. e durante o dia fica esparramado na alcofa ou na espreguiçadeira, ao meu lado no escritório, dormindo ou dando socos ao ar com toda a força. de vez em quando balbucia qualquer coisa. olho para ele, faço voz de bebé, ele ri e continuamos, cada um na sua tarefa. 

tudo tranquilo - na maioria dos dias.

 

já saímos com ele para praticamente todo o lado.

que o rapazito não acha grande piada a andar no ovo e prefere estar em casa. mas saímos. levamos leite extra nos doseadores, biberões com água medida e o aquecedor dos mesmos no carro. corre bem. por norma dorme o tempo todo. a não ser naquele dia, na Laskasas onde escolhíamos candeeiros, em que explodiu com tal força que poder-se-ia dizer que um terramoto tinha invadido a cidade. e viemos com ele para casa, a rir que nem perdidos, para lhe mudar a fralda que aquilo não era coisa que qualquer fraldário aguentasse.

 

o tempo vai passando.

ele vai crescendo.

e, estranhamente, eu também.

Autoria e outros dados (tags, etc)

banalidades

por M.J., em 18.02.19

às vezes penso se voltarei a escrever neste blog como escrevia antes.0

não é que tenha ficado descontente com a escrita mas, simplesmente, a vontade desapareceu. desapareceu em muito a tentação de escrever momentos, situações, pequenas coisas do dia, opiniões e tudo isso de que se constrói um blog.

é que na maior parte dos dias o que tenho a dizer é amargo. sinto-me mais amarga, nos últimos tempos. como se isso fosse possível bem sei, uma vez que, tendo em conta quem sou, nunca fui um doce de pessoa. 

és, és,

diz o rapaz, embora eu não acredite.

sinto-me mais amarga. mais azeda. mais frustrada.

no fundo, é como se cada dia pusesse de lado mais um pedaço de mim em função de outra coisa. coloco de lado mais uma vontade, um prazer, uma liberdade. e aos poucos, no meio desse deixar-me de lado, porque não há outra opção, vou perdendo quem sou.

na maior parte dos dias resigno-me.

eu, que nunca fui disso: não me resignei a uma vida no sítio onde nasci - e era a que esperavam de mim; não me resignei a trabalhar na área que achava que queria e me punha infeliz; não me resignei aos trabalhos que me consumiam aos poucos; não me resignei a não conseguir o que queria. a resignação nunca foi o meu forte. nem a paciência. ou o comodismo. ou o contentar-me com as pequenas coisas que tenho. é como sou. não há muito mais fazer (pausa para resignar-me a esta constatação). 

e esse facto, essa incapacidade de me acalentar com as pequeninas coisas, de ver unicórnios nas conquistas minúsculas, de me sentir plena por uma vivência, seja ela qual for, bate de frente com a situação atual.

é uma pena, bem sei, mas - repito resignando-me - as coisas são como são.

e é por isso que me vou sentindo cada dia um niquito mais amarga. um niquito mais azeda. um niquito mais frustrada.

pronto, tem de ser,

comento comigo enquanto faço isto e aquilo e não faço aquele e aqueloutro.

tem de ser porque tem de ser e eu vou perdendo os dias e as horas. portanto, queixo-me a mim. só a mim, pois claro. enumero mentalmente os meus queixumes e azedices. este, este, este. e prossigo. às vezes deixo-os consumirem-me de tal forma que faço uma pausa à vida. bato o pé e digo:

não, chega, comigo não,

mas dura pouco. dura quase nada porque a realidade assim o exige. e volto à resignação. volto ao deixar-me de lado. volto a sentir-me cada vez mais incompleta. mais vazia. cada vez menos eu.

não era suposto ser ao contrário?

 

há uma parte de mim que me aponta o egoísmo ao nariz.

sei disso, respondo-lhe, numa conversa, as duas de nós,numa pastelaria imaginada, a ouvir o som de porcelana das chávenas imaginadas e a sentir o cheiro do café que não existe. sei do meu egoísmo. sei dele desde que tenho consciência de mim própria. sei dele desde que me disseram, aos seis anos, que tinha de me confessar para fazer a primeira comunhão e precisava de apontar pecados.

quais pecados?

perguntei eu à avó. e ela, sem saber bem o que responder,

podias falar daquela vez que respondeste mal à tua mãe; ou quando empurraste a ana do muro; ou quando disseste uma asneira.

e depois, uma pausa depois,

ou do teu egoísmo. és um bocadinho, sabias?

não sabia, há época. soube mais tarde quando comecei a tentar entender-me. soube na adolescência - atirado tantas vezes à cara. soube na juventude. sei agora que me sinto velha, mais velha que mil pedras e é como se tivesse já perdido tudo o que havia para viver. 

sei desse egoísmo, pois então, ainda que todos os dias me resigne um bocadinho mais em função de outros. ainda que todos os dias me vá perdendo um bocadinho mais, me vá anulando um bocadinho mais e comece a ser a caricatura de mim que descrevia outrora por carolice:

velha; azeda; amarga; frustrada; cansada e incapaz de dar valor a cada pequena conquista. 

 

há conversas imaginadas entre mim e eu todos os dias.

temos discussões profundas e sérias em que os meus queixumes são analisados à exaustão.

nunca chegamos a qualquer conclusão que não o aumentar desses mesmos queixumes e dessa mesma exaustão, num aumentar de argumentos que me faz doer a cabeça. 

conforma-te, resigna-te diz a outra de mim. e quando eu contraponho, zangada, acresenta,

ou grita. mas baixinho, em murmúrio.

acaabando por concluir:

melhor mesmo era se escrevesses. para não acordares ninguém. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

banalidades

por M.J., em 11.02.19

afundei-me em trabalho porque foi a maneira mais fácil de me provar que nada tinha mudado embora nada volte a ser o que era e eu não possa voltar a fazer o que fazia. afundei-me em mil compromissos, todos muito juntos, fiquei sem horas para dormir, para ler, para ver tv, para caminhar pelas ruas do bairro porque só dessa forma me é possível não pensar. assumo: tenho compromissos que não posso falhar e nada mais interessa, quem eu sou não interessa, o que sinto não interessa. que é isso que sinto há uns tempos. eu não sou eu e nada do que sinto vale um pataco furado. os meus desejos, anseios, medos, sonhos, vontades são colocados numa espécie de segundo plano, para tudo e todos inclusive para mim própria. e sempre que o sinto e percebo que não voltarei a ser eu, por mim, eu enquanto eu, só por mim, é como se me rasgassem o peito e tudo o que pensei ter enterrado há anos, num poço muito fundo, completamente ultrapassado, viesse a correr, numa espécie de avalanche de lama, inundando-me até não conseguir pensar, dormir, comer, ser ou fazer algo que não seja honrar compromissos. 

sei, com toda a força do que sou, que a única coisa que me mantém à tona nos últimos dias é a certeza de que assumi algo e vou levá-lo até ao fim. mesmo que uma parte de mim fique para trás e nada, nestes dias, me faça reconhecer quem sou. e tudo me aponte para uma direção contrária aquela que um dia planeei para mim. 

fazes a tua cama, deitas-te nela, dizia-me a avó, sentada na máquina de costura enquanto eu envolvia bonecas com restos de tecidos, em forma de vestido, e pensava nos livros todos que ia ler, nos sítios todos que ia visitar, nas pessoas que iria amar e na vida que seria minha, numa espécie de fúria por conquistar, mal saísse daquele lugar que, achava eu, me cortava as asas e impedia de ser maior.mal sabia eu que, de livre vontade, haveria um dia de me enjaular e impedir-me, de uma vez para sempre, de ser o que achava que queria ser. porque na verdade só achava. só achei. só acho. e quando não sabemos quem somos, o que queremos e para onde devemos ir, arriscamo-nos, no meio desse achar, a nunca nos encontrarmos, enjaulados na incerteza do que seria e não é.

estou cansada. 

mas não há um compromisso que não honre ou que deixe ficar para trás, no meio do cansaço que me consome. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

pergunta para dois queijos*

por M.J., em 07.02.19

será oferecida quente, acabadinha de extrair, ou com dois dias para que haja um processo de decantação?

51368823_10155981239437611_4560139186740396032_n.j

* ou dois sacos de urina, se preferirem.

Autoria e outros dados (tags, etc)


foto do autor