Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




banalidades

por M.J., em 02.02.17

a sala onde trabalho é toda envidraçada numa das paredes.

exactamente a parede virada para o jardim. há uma vista esplendorosa para as árvores e relva e costumo perder algum tempo a ver os pássaros em bandos no céu.

em dias de sol somos obrigados a puxar umas cortinas fixas, sobretudo quando o sol nos bate na cara. no entanto, em dias como o de hoje, em que há um pequeno dilúvio, tal não é preciso e podemos apreciar a chuva quase como se a sentíssemos.

 

habituo-me aos poucos aos ritmos disto e vou travando conhecimentos com o pessoal, muito ao de leve, não mais do que a minha inabilidade social permite.

 

às vezes cometo gaffes gigantescas.

 

na semana passada, por exemplo, tive uma longa conversa com a empregada de limpeza, uma miúda que fala  muito e pelos cotovelos. em duas penadas só tirei-lhe a pinta e deixei-a falar, acenando com a cabeça, que não é das que permite resposta. nos espaços comuns tudo brilha, dentro dos gabinetes e das salas está uma miséria. a minha secretária tem, por exemplo, toalhitas de limpeza nas gavetas e um spray de lixívia que trouxe de casa para fazer face ao que se vai acumulando.

o problema foi quando me disse, muito singelamente, que tinha tempos mortos, que não havia nada para fazer. sugeri-lhe também, muito singelamente, que limpasse os vidros e os armários. só percebi a gaffe quando vi a cara dela.

 as pessoas não querem respostas, querem só desabafar.

o meu colega de sala fala baixinho e muito rápido. no início estava sempre a pedir-lhe que repetisse, convencida que os meus ouvidos estavam nas últimas. depois percebi que era mesmo um problema dele.

ou isso ou tenho de ir à mini som experimentar um aparelho.

 

hoje de manhã dei de caras com um senhor na recepção, sentado como quem se prepara para estar o dia inteiro. perguntei, na hora do café, quem era ao segurança.

parece que vem vigiar a mulher, disse-me por entre o canto dos lábios, que está num dos andares em formação. já esteve aí na semana passada e ia-lhe dando um soco quando a viu falar com um colega.

e ninguém fez nada? perguntei escandalizada.

que sim, que ameaçaram chamar a polícia. e que ele se riu, dizendo que o fizessem. mais um menos um, a polícia até já o conhece.

 

há bocado, quando fui à casa de banho, estava sentado de perna traçada, num dos sofás, de jornal em riste e cigarro no canto da orelha.

olhou-me descaradamente e abriu a boca num sorriso desdentado.

se não fosse mais uma gaffe descomunal dava-lhe um chapadão nas trombas.  

 

oh vai ver ali:

publicado às 12:00


1 comentário

Imagem de perfil

De Gaffe a 02.02.2017 às 13:16

Acontece o inverso também. Uma jovem mulher que fica sentada toda a tarde com a filha pequenina ao colo, na sala de espera, a esperar que o marido - que tem mais do que 50 anos - acabe a tarde de trabalho.

Sorria de forma cínica quando lhe perguntavam se "aguardava vez". Irritava-me a postura quase arrogante e desafiadora. Aconselhei o senhor a evitar aquilo. Tentou. Não conseguiu. A mulher aparecia todas as tardes e ficava ali, sem fazer nada, sentada com a filha ao colo.

Proibi. Não era saudável para a criança ficar exposta daquela forma. Odeia-me. Encontrei um pão seco, como pedra, no "capot" do meu carro. Tinha um rolo de cabelos a envolver aquilo e a mulher a espreitar-me ao longe e a sorrir.

Uma miséria.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



foto do autor



e agora dá aqui uma olhada