Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




banalidades

por M.J., em 11.10.17

está sol como tem estado sol nos últimos meses da nossa vida.

o tempo é quente e nublado de um fumo amarelado que se cola à pele e aos ossos e à alma.

ouço ludovico einaudi, faço pausas que não terminam e passarico pelo espaço numa falta de produtividade gritante. 

as coisas a fazer aumentam.

olho a lista e encolho os ombros como se a vida e o que sinto e o tédio existencial tivessem mais força do que qualquer necessidade de trabalho. estou feita numa burguesa é o que é.

 

tomo café encostada à varanda, os olhos franzidos pela claridade doente do dia. os cedros continuam erguidos numa mansidão de eternidade. há um seco, mesmo no meio dos outros e que ali permanece desde que cá cheguei.

morto mas erguido ou moribundo mas digno, sei lá.

pondero sair.

sentar-me numa pastelaria e ouvir o ruído das chávenas, da porcelana e o cheiro do café. abrir o jornal na mesa, olhar de soslaio as outras pessoas. dizer bom dia só para ouvir a minha voz. mas fico. há tanto trabalho acumulado que certos prazeres, ou necessidades, precisam invariavelmente de ficar para segundo plano.

o cão do vizinho late, de vez em quando, numa espécie de ganido solitário. ao longe ouço o som de um motosserra e viajo, imediamente, até à serra. vejo as videiras já sem uvas, a erva molhada da neblina matinal que a avó apanhava com uma foicinha. ouço, na beira do rio, o som de uma ou dois motosseras a desbravar árvores. sinto as enxadas a abrir a terra e vejo o avô, que já não vê, a limpar a fronte do suor enquanto se queixa da falta de água. sorri-me e tem mil rugas do tempo e da vida. estende as mãos e aperta a minha num amor de bondade e família.

está mesmo não estando.

como o cedro erguido em frente à minha varanda.

tenho saudades tuas.

 

está sol como tem estado sol nos últimos meses da nossa vida.

e eu dava tudo para uma manhã de chuva. 

que não fossem as minhas lágrimas.

oh vai ver ali:

publicado às 11:10


1 comentário

Imagem de perfil

De Fleuma a 11.10.2017 às 18:13

" As lágrimas são o critério da verdade no mundo dos sentimentos. As lágrimas e não os prantos. Existe uma disposição para as lágrimas que se expressa mediante uma avalanche interior. Há iniciados em matéria de lágrimas que nunca choraram realmente.", Emil Cioran.


Obrigado.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



foto do autor



e agora dá aqui uma olhada