Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




banalidades

por M.J., em 03.05.16

está um calor descomunal para a época em que estamos. abri as janelas de par em par numa alegria por poder afastar um pouco os vidros sujos e deixei entrar a brisa, e o pó, pela casa. 

tenho trabalho a rodos e a vida não para. recebo telefonemas de clientes e de fornecedores, de colegas e cabeleireiros e não sei para que lado me hei-de virar. penso na roupa que está no cesto, pronta a ser lavada, e nas flores da capela, que não coincidem com os bancos.

e as velas.

não posso, por mais que queira, falar de outra coisa. faltam menos de duas semanas e ainda que o meu trabalho se sobreponha à festa sou irremediavelmente interrompida por pormenores que precisam de ser alinhavados, pessoas que precisam de ser descansadas e flores a precisar de ser regadas.

plantámos uma sardinheira, de um rosa vivo, num vaso o ano passado. veio de aveiro dentro de uma caixa e não morreu. está florida a escorrer pelo vaso verde alface, num orgulho de estar viva. rego-a em detrimento das outras flores, numa clara preferência e lamento por não ter semeado girassóis. 

esta manhã tinha as folhas secas e passei muito mais tempo do que tenho livre a podá-la, com consideração, ainda que a mamã me tenha dito que não é o tempo certo. 

descontraiu-me.

não consigo adormecer nos últimos tempos ainda que o rapaz caia num sono profundo mal pousa a cabeça. fico em mil torvelinhos de ideias e digo a mim própria que o melhor era dormir anos seguidos, até toda a vida ter passado e eu ser velha, a descansar de quem acabei por não ser.

não digo coisa com coisa e continuo, sem perceber muito bem o motivo, a sentir-me só.

mesmo não tendo um pinguinho de tempo para estar acompanhada.

descobri, enquanto podava a sardinheira, que me sinto só de mim própria. a companhia que eu era e me fazia está demasiado cansada para se sentar comigo e falar de quem somos e do que queremos fazer. está demasiado assustada, ansiosa e adia irremediavelmente conversas profundas do amanhã para poder concentrar-se no hoje.

estou só de mim e isso é estranho. 

mesmo com uma sardinheira na varanda. 

 

oh vai ver ali:

publicado às 13:21


2 comentários

Imagem de perfil

De Gaffe a 03.05.2016 às 14:15

Senta-te aqui.
Encosta-te a mim.
Não faças barulho.
Vamos falar de coisas tolas, muito baixinho.

Sabes que as sardinheiras devem ser podadas em Novembro? ... tens de as cortar em bisel ... quase rente ao solo ... não tenhas medo de as ferir ... ficam troncos feios ... não faz mal ... na Primavera tens de as adubar ... vão florir como se tivessem de explodir ...

Gostas de mim? ...
Imagem de perfil

De M.J. a 03.05.2016 às 14:24

muito.

vou adubá-las mais logo, quando o sol for dormir.
hei-de enviar-te uma fotografia delas.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



foto do autor



e agora dá aqui uma olhada