Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




eu tinha, juro que tinha

por M.J., em 25.05.17

uma cena catita para escrever, muito interessante e engraçada e assim, como é habitual (lol - sempre quis usar a palavra lol e hoje foi o dia) mas depois li que as (in)capazes escreveram que a solução para os problemas do mundo é os homens brancos não votarem durante vinte anos e esqueci-me de tudo ao meu redor.

 

18765597_1960774014153930_192538041097006785_n.jpg

 

até do facto de que ao escrever sobre isso estou a dar-lhes exactamente o que elas querem: atenção à sua imbecilidade.

 

oh gente do catano.

oh vai ver ali:

publicado às 12:04


4 comentários

Imagem de perfil

De Gaffe a 25.05.2017 às 14:15

Interromper a Democracia por uns tempos também já foi alvitrado.
Repara, no entanto, que não são nada racistas. Os pretos, os amarelos e os vermelhos podem continuar a votar, ou então as mulheres acreditam que só os brancos votam.
Imagem de perfil

De M.J. a 25.05.2017 às 14:20

pela manela e foi um deus me livre. mas essa propunha seis meses, estas vinte anos.
são tão idiotas, balha-me deus.

mas o que gostava mesmo de saber é de onde lhes vem a pretensão de se acharem representantes do género! eu não votei nelas para me representarem nem vejo nelas qualquer legitimidade para isso.
não vejo em peruas a brincar aos vestidos em galas de palhaços capacidade de perceber o verdadeiro problema da sociedade em relação às mulheres: as cabras das outras mulheres.
Imagem de perfil

De Gaffe a 25.05.2017 às 15:19

Não representam coisa nenhuma. Apenas ilustram o modo mais rápido de nos suicidarmos:
Subimos para o ego de uma delas e lançamo-nos no vácuo do seu QI.
Imagem de perfil

De M.J. a 25.05.2017 às 15:26

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

tão bom.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



foto do autor



e agora dá aqui uma olhada