Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




fit.

por M.J., em 07.06.17

há uns tempos, creio que anos talvez, fiz parte de um grupo fit no facebook. 

(quem anda por aqui há muito tempo sabe do que falo).

o grupo tinha coisas boas:

  • as pessoas entre-ajudavam-se,
  • haviam receitas interessantes, e
  • às vezes uma tipa - parva como eu - ria-se com algumas das parvoeiras, o que prova que também era de humor.

no entanto, o grupo era também pernicioso, pedante e presunçoso (achei que estes três "ps" ficavam aqui bem). 

 

uma prova disso era o ataque gratuito à obesidade e uma das situações que o demonstra foi quando uma das meninas (éramos todas tratadas por meninas e queridas, nem malta, nem pessoal, nem tá-se, sim meninas, sim queridas) decidiu publicar uma fotografia que tirou, à cara podre, de uma senhora obesa que estava às compras.

a mulher fotografada claramente era obesa mórbida e tinha a barriga à mostra, em forma de avental, por cima de uns calções minúsculos: uma imagem feia e - houve até quem a apelidasse - repugnante. 

depois alguém comentou dizendo que enfim, aquilo não era bonito. não propriamente a imagem em si, mas sim o facto de exporem uma pessoa que andava na sua vidinha às compras, num grupo com mais de 3000 pessoas para gáudio de quem lia.

a administradora veio em defesa da publicação:

pois a senhora não era gorda? pois a senhora não andava assim vestida em público? pois qual era o mal? não era só uma piada? que se deixassem de puritanismos e fizessem mais exercício.

o pessoal, perdão, as meninas continuaram no gozo e quem era contra meteu a viola no saco.

 

uns meses mais tarde, escrevi sobre o grupo e o texto chegou aos olhos da administradora. o texto era este e, como se vê, não é simpático.

foi na altura em que eu escrevia palavrões como afirmação e usava a escrita como arma de arremesso.

no entanto, não estava preparada para o deus me livre que provocou na administradora: pois que eu gozava com elas; que se não queria não fizesse parte do grupo; que não era bonito; que devia morrer esmagada em massa com almôndegas, das fritas; que eu devia ser a fulana que chora no quarto enquanto come batatas fritas e hambúrgueres.

uma trapalhada. 

evidentemente que lhes devia ter dito que:

  • não como almôndegas. sabem-me sempre a farinha. 
  • não como no quarto. é uma nojeira e não acho higiénico.
  • não gosto de hambúrgueres.
  • o facto de me ameaçarem de morte só revelava que a falta de açúcar é nociva.
  • que a estupidez delas me fez aproximar de duas das mais importantes pessoas da minha vida ainda hoje.

mas mais do que isso,devia ter-lhes dito que a hipocrisia gritante de todas fazia rir quem lesse.

o meu texto era constituído por palavras, só palavras.

não tinha as trombas de nenhuma, não identificava ninguém em concreto e não tinha as fotos das figuras que faziam enquanto andavam às compras. o texto satirizava os excessos que as pessoas cometem quando entram em fundamentalismos mas não atacava uma só pessoa apanhada desprevenida enquanto pesava um quilo de maçãs, tal como haviam feito. 

já o que elas faziam era bem diferente.

e então por que não o disse?

porque me acobardei e porque, na verdade, a maior parte delas tinha tantos neurónios como as maçãs que a senhora obesa pesava enquanto vestia uns calções minúsculos.

 

e por que é que me lembrei disto?

por um outro post que hei-de escrever um dia destes e que me anda a queimar os dedos para ver a luz solar.

ou a luz do ecrã.

 

e porque a ida ao ginásio me deixa uma hora livre para divagar, sem livro, telemóvel, trabalho, séries, filmes ou converseta.

e quando dou conta estou a pensar que, caramba, se não tivesse sido expulsa do grupo, podia estar agora com a minha bff a fazer agachamentos enquanto falávamos de queijo e nos tratávamos por queridas.

oh vai ver ali:

publicado às 13:30


1 comentário

Imagem de perfil

De Fleuma a 07.06.2017 às 16:20

Antes de mais e qualquer outra ideia M.J., gostaria que o que escrevo neste comentário fosse visto apenas e só como uma opinião pessoal e apenas minha, não como uma graçola ou tentativa de aborrecer, coisa que não pretendo. Porque respeito imenso este blog e a pessoa que o mantém. Isso aliás, não deveria sequer ser questionado.

O que está escrito revela, por um lado, o que já tenho falado sobre a liberdade de expressão e da maneira como a aceitamos. Nada a apontar. Tem razão.

O que me levou a este comentário tem a ver com as referências ao excesso de peso e até porque já muita gente tem criticado a minha posição em relação a isso.

Já antes escrevi e repetindo eu tenho sérias dificuldades em ganhar massa gorda o que leva a sérios problemas - tão sérios como para os que são excessivamente pesados. Apenas de ordem diferente.

Não sou criatura de criticar ou decidir o que comem os outros. Não me interessa e nem sequer acho que o que está neste post se aplica a mim. A minha postura critica em relação ao excesso de peso, não em relação a pessoas, tem a ver com as razões apresentadas para chegar a pontos inexplicáveis e na sistemática incapacidade apresentada para se preferir manter um regime alimentar que sabemos aumenta o peso em vez de lutar contra isso, como aliás parece ser a sua nova batalha, prova que está consciente de problema.

Não estou a pregar nada. Sabe disso. Não me considero exemplo mas estas palavras despertaram muito interesse em mim. Até porque eu tenho por norma uma visão demasiado pragmática deste assunto, coisa que sei não ser sempre bem vinda.

Aliás e em oposição ao seu uso de palavras, eu infelizmente e como dizia uma vez a Gaffe, mutilo muitas vezes. Ainda as uso como arma de arremesso por minha natureza. No entanto gostaria de me retratar a si principalmente porque percebendo a sensibilidade em relação ao assunto, eu tenho colocado a minha opinião sobre o assunto de uma maneira que reconheço ser cruel e fria. Não por intenção e embora mantenha o meu ponto de vista, desculpa é um pedido que faço. Nem sequer acho que o peso seja um problema particularmente grave para si, mas reconheço que a minha suposta insensibilidade ou troça não lhe seriam gratas.

Em relação ao que escreve aqui reconheço-me culpado e pouco sensível. Quanto ao tratar outra criatura por "gorda", desculpará mais uma vez, não retiro nada. Por muito criticado que seja.

Uma vez mais, nada do que escrevi aqui foi para hostilizar uma das poucas pessoas que aqui respeito. Achei necessário que notasse que mesmo discordando das razões apresentadas pela maior parte dos obesos, aquilo que escreveu está certo.

Lamento a testamento. Se preferir não publique este comentário. Apenas prefiro que compreenda.

Saúde.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



foto do autor



e agora dá aqui uma olhada