Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




barrigas de aluguer: sim, não, talvez, depende.

 

justique.

publicado às 10:49


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Silent Man a 03.08.2017 às 12:28

Com o enquadramento legal certo e "air tight" no sentido de impedir à cabeça fraudes de parte a parte, acho uma boa alternativa aos pais que, por este motivo ou aquele, não conseguem ser pais. Não discordo nem deixo de discordar, é-me completamente indiferente aquilo que cada um quer fazer da sua vida no que à geração de filhos diz respeito. Só acho que a possibilidade deve ser aberta.

Posto isto, acho que nunca vai ser um assunto pacífico, porque o enquadramento legal nunca vai ser "air tight" e vai haver sempre margem para alguém ganhar isto. Na realidade, estamos em Portugal e o tuguinha pequenininho gosta é de praticar Direito ao analisar a lei à procura da letra onde é possível aldrabar o próximo.

E acho exactamente o mesmo para a maioria dos outros temas polémicos, como a Eutanásia ou o Aborto, o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a adopção por parte dessas mesmas pessoas. Apesar de nos considerarmos católicos, somos um país cada vez mais laico, por isso discordo sempre dos lóbis da Igreja sobre a lei soberana deste cantinho à beira-mar plantado.

Este comentário tá meio baralhado... Mas acho que dá para perceber
Imagem de perfil

De M.J. a 03.08.2017 às 12:36

percebi sim.
mas a lei também é aplicada por todos nós. somos nós que a seguimos e moldamos.

não vejo qualquer tipo de mal na mulher que "cede a barriga" receber dinheiro por isso. não vejo mesmo.
tudo o que é novo choca. ninguém vê mal nenhum, por exemplo, nas indemnizações de sangue. se uma pessoa morre num acidente há ações judiciais que demoram anos para ver quanto se recebe por aquela morte. a familia diz "não há dinheiro que pague" e na verdade, não há. mas o dinheiro é a via mais prática para vivermos. e se pode facilitar certas coisas, por que não? tá tudo bem em usarmos dinheiro para nos alimentarmos, divertirmos, curarmos, vivermos, mas já está mal se há uma coisa ou outra que nos bate em principios que não sabemos justificar?

se uma mulher puder gerar uma criança de boa saúde e no fim receber uma compensação monetária por isso, qual é o mal?

(ah! e somos todos muito laicos mas cheios de caruncho do que nos foi inculcado em tempos, do que vimos, de uma educação global de terços, novenas e procissões. tentando não desrespeitar quem é crente, custa-me que a crença de cada um tenha a prepotência de saber qual deve ser a crença de todos. se bem que, há muita gente que também o sendo usa os principios para si mesmo não achando que o resto do mundo os deve usar. esses são os que respeito).
Sem imagem de perfil

De Silent Man a 03.08.2017 às 12:54

Nesse caso, estamos de acordo. Ambos achamos que deve haver a oportunidade, que deve ser legal. Eu só acho que se deve trabalhar no enquadramento legal, tanto o genérico da lei, como o particular de cada caso pelos advogados das partes...

Quanto ao teu parentesis, concordo parcialmente, mas deixemos ESSE debate para outro post, para não desvirtuar este.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



foto do autor



e agora dá aqui uma olhada