Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




resumo dos quase 4 meses

por M.J., em 08.04.19

pronto, o puto já levanta e quase segura a cabeça.

às vezes fica ali, meio a balançar, como se tivesse bebido uma cachacinha depois de almoço e o peso do álcool fosse mais forte. mas, por norma, faz jus ao pescoço. 

 

também dorme a maioria das noites, de forma completa. não são doze horas a roncar mas vai fazendo períodos de 5 a 6 horas seguidas.

é bom. a não ser claro, quando acorda às sete da manhã a um sábado.

nessas alturas não é agradável.

 

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Quando o puto acorda às sete da manhã a um sábado e se recusa a dormir não há como não pensar seriamente em sair de casa para comprar tabaco. #naohapachorra #nemaosabado #voualiejavenho #ounao #arre

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

 

não sei como teria sido se o miúdo fosse um pedinchão durante a noite.

que ainda estamos habilitados a isso.

sempre que acordo às 4 da manhã é como se um comboio me tivesse passado por cima e eu ainda estivesse a perceber se estou morta ou não. ando meia desgrenhada pelo quarto sem saber muito bem onde pegar ou começar.

fazer isto um ano ter-me-ia levado à loucura.

ou a ele. 

um dos dois seria.

talvez fosse a ele que eu sempre posso tomar café.

 

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Bom dia, vamos ao café? Houve um tempo que vos dava os bons dias no blog com música. Agora nem música nem blog. Só café. #cafe #coffeetime #coffee #vamosaoqueinteressa #blog #eagoraseila

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

 

não há maneira de evitarmos o babete neste momento.

baba-se a rir, baba-se a chorar, baba-se a comer, baba-se a respirar, baba-se a existir. olhamos para ele, dizemos bhu e enquanto ele sorri com os dentes todos que não tem há rios de baba a escorrer pela cara.

os babetes têm sido a solução.

e creme no pescoço, que quando dei conta que tinha o dito irritado fiquei tão aflita que passei o dia a bezuntá-lo.

ajudou. está praticamente bom.

 

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Brevemente nos cinemas a comédia dramática: "o coelho, o urso e o duplo queixo". #baby #doudou #babete #babyboy #comeedorme

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

 

também deu uma pulada.

há pouca roupa que lhe sirva, já, e vamos acumulando a que não serve numa grande caixa de arrumação no quarto ainda não mobilado dele.

ontem, que tínhamos visitas, quis vestir-lhe um fato catita e simplesmente o rapaz não conseguia esticar as pernas.

esse e outro e outro e outro.

que bonito. só havia babygrows feios, de andar por casa, pelo que acabou vestido com um macacão curto nas pernas e nos braços enquanto eu tentava perceber que raio comeu ele na última semana para nada lhe servir.

 

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Vê-se logo quem o vestiu. #meninodopapa #bebe #janaoeprojetoaltino

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

 

acorda sempre bem disposto.

ri-se desalmadamente todas as manhãs. e adora ficar nu.

tiramos-lhe a roupa e é vê-lo como se tivesse ganho o euromilhões. também começamos a perceber alguns traços de personalidade. não faz questão de atenção total mas se chora e não vamos dentro de um minuto, o gemido inicial transforma-se num choro tão intenso como se tivesse a ser capado. a frio.

um dia destes só consegui mesmo ir ter com ele uns 3 minutos depois. berrava tão alto que tive medo que a vizinha chamasse a CPCJ. e ficou 10 minutos ao colo, em suspiros fundos e soluçados, sentido comigo e com o mundo.

vai ser lindo, vai.

 

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Nos dias que correm o nosso melhor amigo é o babete. Ou OS babetes, no plural que um só não aguenta os quilos, paletes de baba produzida. #bebes #babyboy #babyboy💙 #baby #babete #baba

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

comporta-se estupidamente bem com outras pessoas.

é simpático e tudo (não sai a mim, disso concordamos todos), anda de colo em colo e nada de choro. mas quando estamos sozinhos tem os seus 3 minutos, muitas das vezes do nada, mostrando que sim senhor, aqui ainda manda ele.

concedo-lhe isso.

por enquanto.

 

também descobrimos que gosta de ver tv.

os estudos sobre os malefícios da dita circulam na internet como cogumelos à chuva. há mães que preferiam perder um dos mamilos (os dois não, que pelo menos um tem de ficar para amamentar) do que pôr a criança em frente à tv. nós usamo-la de vez em quando na babytv e ele fica a olhar para ela, muito concentrado, dando pontapés no ar, falando numa língua que ninguém percebe constituída por 3 vogais e 2 consoantes (e, a, u, b, h) e, quando se farta, soltando um ou outro grito.

muito eficiente.

 

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

É, vêm cá pessoas almoçar. É, a sala está assim. É, a tv está na babytv. É, engoli todas as palavrinhas que disse. #bebe #babyboy #almoço #domingo #sunday

Uma publicação compartilhada por Maria João (@emedjay) em

 

 

seja como for, por melhor que seja, não me imagino a passar por isto outra vez.

achei, outrora, que não queria filhos únicos.

eu sou e bem sei os malefícios.

mas sinceramente, só de pensar nisto com um outro miúdo a pedir atenção faz-me crescer ainda mais cabelos brancos. só de pensar no primeiro mês, nas minhas hormonas, nas mudanças de humor, no cansaço extremo, na incapacidade de tirar vinte minutos para fazer algo inútil mas que me dá prazer, há algo em mim que grita com muita força: NÃO. 

 

a maternidade é mais ou menos aquilo que eu esperava.

tem coisas boas, momentos maravilhosos, ocupa espaços vazios, transforma um pouco quem somos, dá-nos a experimentar algo que não sentiriamos de outra forma.

mas arranca pedaços de nós. arranca horas infindas, dias, noites, tempo.

sei que o ser humano tem tendência, depois da coisa passar, de desvalorizar o mau e hipervalorizar o bom: eu tento que isso não aconteça. tento ter presente realisticamente cada momento. entrego-me, aceito, vou mas não encho com corações e unicórnios todos os espaços. 

 

e pasmem-se, é verdade, ainda continuo a revirar os olhos, quase até ficar só parte branca à vista, quando me repetem incessantemente "é o melhor do mundo".

o melhor do mundo, meus senhores, é a conjugação de pessoas, factos, aspetos, momentos e objetos que nos fazem - todas as manhãs - respirar de alívio por ainda estarmos vivos. 

publicado às 13:42


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



foto do autor



e agora dá aqui uma olhada